Sim, nós podemos!

Ei Gatinhas, tudo bom?
Está rolando pelas internet uma movimentação sobre ‘o dia da mulher’.
Ai vem aquela máxima que ”dia da mulher é todo dia” e talz. Já sabemos disso e o porquê de comemorarmos esse dia (quem não faltou as aulas de história levanta a mão o/), mas nada mais justo do que aproveitar o gancho para discutimos feminismo, empoderamento, igualdade, etc…
Ví uma séries de vídeos no Youtube com várias musas inspiradoras (as verdadeiras formadoras de opinião) durante essa semana que me fizeram pensar principalmente sobre:
 “SE QUER FAZER, FAÇA!”
Nunca parei muito para pensar nisso, mas me toquei que tem INÚMERAS coisas que deixo de fazer porque acho que: não posso, não vou agradar, não vão gostar. O motivo do blog estar BEM parado (na verdade desde o ano passado, mas não conta para ninguém! SHIIIIUU!) é exatamente esse. “Ninguém vai ver mesmo…” e fui enrolando e me desmotivando sempre mais e mais. Ele vai passar por reforma, mas não significa que por isso ele tem que ficar mofando aqui, até porque estou cheia de conteúdo para postar! 
 Parei para pensar: “E DAÍ, que ninguém vai ver?”
Esse espaço foi criado para mim! Para externar minha opinião sobre coisas, minhas dicas, meus pensamentos… Ele foi criado com o objetivo de ser ‘backup digital’ das minhas ideias, não para ser um blog de sucesso e ganhar rios de dinheiro.
Dentro desse pensamento ‘ninguém vê’ sinto coisas opostas: desmotivação de continuar fazendo algo que ninguém vai dar bola X tranquilidade de escrever o que quiser porque não tenho cobranças já que ninguém vê.
O blog já tomou muito tempo da minha vida (não me arrependo), ora atrapalhou, ora ajudou. Mas não posso mais deixá-lo como objetivo principal sem me dar retorno (financeiro principalmente), e deixar meu trabalho e profissão de lado. Eu sempre me cobrei muito por aqui, mesmo sem ter ninguém me cobrando, isso foi me desgastando aos poucos até virar essa desmotivação.
Seja por blog, vídeo, Snapchat ou psicólogo “botar para fora” ajuda demais e te deixa cada vez mais forte e confiante.
Pode parecer egoísta, mas o blog agora mais do que nunca vai ser UM ESPAÇO PARA MIM, para meu autoconhecimento, para mostrar as coisas que gosto quando e como eu quiser!
Claro que vou continuar recebendo sugestões, ideias, dicas, opiniões e apoio dos poucos que passam por aqui e isso vai ser muito importante para mim.
Para conhecer quem me motivou a ‘voltar a fazer’ é só ir nesse link que tem todos os vídeos participantes desse projeto maravilhoso no box de informações!
E aí? Bora fazer?

 

 

Falando a Bessa – Maquia e fala!

Primeiro vídeo de ‘maquia e fala’ no canal! Uhuuull! Espero que gostem!
Ele faz parte da minha nova tag ‘Falando a Bessa’, porque acho que super combina comigo, não é? hahahaha
Então preciso muuuuuito de sugestões de vídeo, tags, ou perguntas de vocês! Tem alguma ideia? Comenta aqui! =D E dá o play:

Ainda não me segue nas redes sociais? Corre aqui:
Snapchat: FashionFlats
Instagram: @blogfashionflats
Fanpage: https://www.facebook.com/FashionFlats?ref=hl
Pinterest: https://br.pinterest.com/bfashionflats/

Um belo dia resolvi ‘mudar’…

Acordei hoje com vontade de escrever…pois é! Coisa que quase não acontece mais hoje em dia, e tem me desanimado muito com o blog.
Faz tempo que não tenho mais aquela animação diária de procurar inspirações, tendencias, imagens, sons que me transformem e animem meu dia, igual na época da faculdade. Claro que nessa fase ficamos muito mais motivados pois tudo é motivo para criar.

Mas o tempo passou, o blog trocou de layout e mudou um pouco o foco sem querer querendo. Mesmo adorando o que faço e mesmo ele caminhando super bem no ultimo ano, eu dei uma broxada LEGAL, te dizer…
Não que eu tenha enchido o saco mas…falar só de produtos está me cansando. A gente recebe muita coisa e fica naquela ânsia de experimentar e resenhar tudo logo, porque a galera quer ver e porque as empresas querem um feedback… Nada contra, eu amo, adoro resenhar, observar como funciona cada passo, cada produto, etc.

Aqui em casa anda muito difícil fazer qualquer coisa. É muita gente, muito barulho, muito movimento e eu como sou uma pessoa lerda zen, preciso ficar quietinha para me concentrar e fazer tudo direito…por isso os videos pararam, etc #sad

Mas o que sinto falta mesmo é ESCREVER, escrever do meu jeito, falar gracinha, inventar hastag, brincar… Colocar minhas ideias pra fora, vomitar tudo aqui! Afinal, aqui é meu espaço pra isso. Não quero ser mais do mesmo, postar os mesmos assuntos de 1001 blogs por ai…já deu pra perceber que não curto isso né? Se não tenho algo legal pra falar ou mostrar eu simplesmente não faço, não consigo forçar pauta (juro que já tentei uma frequência maior mas não dá). Por isso vou reformular os posts da semana e falar um pouco mais de ideias, inspirações, programas culturais, restaurantes etc.
As resenhas e os produtos vão continuar, claro…porque eu curto mesmo fazer. Só não quero falar SÓ disso porque meu mundo é muito (muitíssimo) mais do que falar de cabelo e pele.

Esse espaço é um reflexo do meu dia a dia, meu estilo e dos meus pensamentos…então vamos deixar ele com mais cara de Mary Bessa, belezinha???

Se curtiu dá um ‘joinha’ e me diz aê o que vocês acham dessa ‘mudança’ ~de volta as origens~

Feliz ‘Páscoa’: Ostara e suas tradições!

Toda a páscoa eu comento sobre Ostara e sua tradição pois é a celebração que mais me identifico durante o ano. Os símbolos de fertilidade, prosperidade e “nova vida” me atraem e me dão força para colher os bons frutos ao longo do ano. Vem conhecer a história da páscoa comigo:

“Eostre, Ēostre, Ostara ou Ostera é a deusa da fertilidade e do renascimento na mitologia anglo-saxã, na mitologia nórdica e mitologia germânica. Na primavera, lebres e ovos coloridos eram os símbolos da fertilidade e renovação à ela associados.

De seus cultos pagãos originou-se a Páscoa (Easter, em inglês e Ostern em alemão), que foi absorvida e misturada pelas comemorações judaico-cristãs. Os antigos povos nórdicos comemoravam o festival de Eostre no dia 30 de Março. Eostre ou Ostera (no alemão mais antigo) significa “a Deusa da Aurora”. É uma Deusa anglo-saxã, teutônica, da Primavera, da Ressurreição e do Renascimento. Ela deu nome ao Sabbat Pagão, que celebra o renascimento, chamado de Ostara.


Posteriormente, a igreja católica acabou por substituir às festividades pagãs de Ostara pela Páscoa, não sem absorver muitos de seus costumes, inclusive os ovos e o coelhinho da Páscoa. Podemos perceber isso pelo próprio nome da Páscoa em inglês, Easter, muito semelhante a Eostre.

Dizem as lendas que Eostre tinha uma especial afeição por crianças. Onde quer que ela fosse, elas a seguiam e a deusa adorava cantar e entretê-las com sua magia.

Um dia, Eostre estava sentada em um jardim com suas tão amadas crianças, quando um amável pássaro voou sobre elas e pousou na mão da deusa. Ao dizer algumas palavras mágicas, o pássaro se transformou no animal favorito de Eostre, uma lebre. Isto maravilhou as crianças. Com o passar dos meses, elas repararam que a lebre não estava feliz com a transformação, porque não mais podia cantar nem voar.


As crianças pediram a Eostre que revertesse o encantamento. Ela tentou de todas as formas, mas não conseguiu desfazer o encanto. A magia já estava feita e nada poderia revertê-la. Eostre decidiu esperar até que o inverno passasse, pois nesta época seu poder diminuía. Quem sabe quando a Primavera retornasse e ela fosse de novo restituída de seus poderes plenamente pudesse ao menos dar alguns momentos de alegria à lebre, transformando-a novamente em pássaro, nem que fosse por alguns momentos.

A lebre assim permaneceu até que então a Primavera chegou. Nessa época os poderes de Eostre estavam em seu apogeu e ela pôde transformar a lebre em um pássaro novamente, durante algum tempo. Agradecido, o pássaro botou ovos em homenagem a Eostre. Em celebração à sua liberdade e às crianças, que tinham pedido a Eostre que lhe concedesse sua forma original, o pássaro, transformado em lebre novamente, pintou os ovos e os distribuiu pelo mundo.


Para lembrar às pessoas de seu ato tolo de interferir no livre-arbítrio de alguém, Eostre entalhou a figura de uma lebre na lua que pode ser vista até hoje por nós.

Eostre assumiu vários nomes diferentes como Eostra, Eostrae, Eastre, Estre e Austra. É considerada a deusa da Fertilidade plena e da luz crescente da Primavera.

Seus símbolos são a lebre ou o coelho e os ovos, todos representando a fertilidade e o início de uma nova vida.


A lebre é muito conhecida por seu poder gerador e o ovo sempre esteve associado ao começo da vida. Não são poucos os mitos que nos falam do ovo primordial, que teria sido chocado pela luz do Sol, dando assim vida a tudo o que existe.

Eostre também é uma deusa da pureza, da juventude e da beleza. Era comum na época da Primavera recolher o orvalho para banhar-se ritualisticamente. Acreditava-se que orvalho colhido nessa época estava impregnado com as energias de purificação e juventude de Eostre, e por isso tinha a virtude de purificar e rejuvenescer.”

Feliz Ostara a todos!